«« Voltar
Juventude e homoafetividade: Direitos Sexuais são Direitos Humanos (Cópia) 20-12-2010
Protocolo do SIGProj:   68471.341.48453.21012011
De:01/01/2011  à  31/12/2011
 
Coordenador-Extensionista
  Sérgio Ricardo Aboud Dutra
Instituição
  UFF - Universidade Federal Fluminense
Unidade Geral
  IEF - Instituto de Educação Física
Unidade de Origem
  GEF - Departamento de Educação Física e Desportos
Resumo da Ação de Extensão
  Este Projeto, iniciado em 2006, é fruto de várias atividades desenvolvidas na UFF, além disso, ele surge da necessidade da comunidade de jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, que fazem parte da nossa comunidade interna, da UFF e externa, em parceria com o Grupo Diversidade Niterói. Crescer em uma sociedade que nos torna invisíveis ou caricatos, que desde cedo normatiza o que é certo e errado é difícil. Desta forma pretendemos dar voz a estes ovens, que defendam seus direitos. Metodologicamente trabalharemos semanalmente com reuniões de vivências, culturais e participando dos movimentos organizados na luta pela cidadania, pela criminalização da homofobia e efetivação da Lei Maria da Penha. Acreditamos que o processo de empoderamento, como propõe Paulo Freire, os tornem sujeitos da sua própria história, aprendendo a defender-se da violência física e simbólica. Que este processo leve ao desenvolvimento da auto-estima dos indivíduos e dos grupos sócio-culturais onde estão inseridos, considerando que as leis e direitos devem servir para todas e todos, deve ser fonte de libertação e não opressão. Por outro lado, o projeto propõe-se a partir de práticas dialógicas, transformar os jovens LGBTT em interlocutores legítimos e, portanto, em agentes construtores de uma sociedade mais justa.
Palavras-chave
   Saúde, Direitos Humanos, LGBTT, Juventude, Educação
Público-Alvo
  O nosso público alvo principal são adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, externamente os freqüentadores da nossa Instituição parceira, Grupo Diversidade Niterói, que trabalha com várias ações com a população LGBTT: reuniões de vivências, intervenção direta com travestis profissionais do sexo, grupo de pais e mães de LGBTT, atividades culturais e esportivas. Estes freqüentadores são oriundos dos municípios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Marica o que dá ao Projeto uma abrangência geográfica mais extensa. Como o grupo tem um público fixo e outro flutuante, calculamos com base no trabalho feito nos anos anteriores que devemos atingir diretamente uma média de 300 pessoas. Indiretamente podemos considerar que cada uma dessas pessoas também vai influenciar os seus grupos sociais de origem. Ao participarmos diretamente da organização do dia municipal de Orgulho LGBTT de Niterói e das Paradas do Orgulho de São Gonçalo e Niterói, esse número se expande mais ainda, pois, segundo dados da Prefeitura Municipal de Niterói, a Parada de 2010 teve cerca de 150.000 pessoas. Lembramos também que participamos da REDUSAIDS (Rede de Educação e Saúde de Niterói na Luta Contra a AIDS), que envolve profissionais de Saúde e Educação, Sociedade Civil Organizada, Movimentos Sociais e ONG de Niterói, tendo uma participação média de 40 pessoas ao mês de mais de 50 Instituições participantes. Também nos nossos objetivos, como em anos anteriores desenvolvemos oficinas para profissionais de saúde e educação. Em 2010 foram 3 para a área de saúde com um público total de 90 profissionais e 4 para a área de Educação com um público total de 160. Consideramos que estes 250 participantes também são multiplicadores ampliando esse número. Também pelo trabalho na REDUSAIDS fizemos 4 oficinas no Colégio Estadual Liceu Nilo Peçanha em Niterói, com a presença total de 300 alunos. Internamente temos desenvolvido algumas ações com o Divesitas, grupo formado por alunas e alunos LGBTT da UFF e com o DCE e alguns DA que nos procuram podemos pensar pelo trabalho feito em 2009 que atingimos cerca de 700 alunas e alunos da UFF. Também somos procurados por professores de outros cursos para a participação em aulas de graduação e pós-graduação. E, por último, lembro que o Projeto se relaciona a uma disciplina do curso de Educação Física chamada Gênero e Sexualidade na Escola, portanto, ao ensino e a uma outra do curso de pós-graduação em Educação Física Escolaras, portanto à pesquisa. É com esta estimativa de quantitativo que vamos trabalhar no quadro abaixo.
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
   Provisoriamente usamos o e-mail juventude.sexualidade@gmail.com, mas já estamos providenciando um e-mail institucional. Também temos a proposta de montarmos um site do Projeto.
«« Voltar