«« Voltar
Mangueira 90 anos: registrando e materializando memórias
Protocolo do SIGProj:   315009.1722.225676.03112018
De:04/02/2019  à  03/02/2020
 
Coordenador-Extensionista
  Renata de Castro Menezes
Instituição
  UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Unidade Geral
  FCC - Forum de Ciência e Cultura
Unidade de Origem
  MN - Museu Nacional
Resumo da Ação de Extensão
  O presente projeto prevê a colaboração de pesquisadores e alunos do Museu Nacional da UFRJ com o Centro de Memória Verde e Rosa (CMVR) e a Vice-Presidência Cultural do GRES Estação Primeira de Mangueira na coleta de relatos e documentos que ressaltem a memória e a história da Mangueira. A parceria das instituições vizinhas nesse projeto é um reflexo da comemoração dos simbólicos 90 anos da Escola e 200 anos do MN, em 2018. A proposta é gerar para a escola de samba um banco de referências documentais (textuais e audiovisuais) e um acervo de depoimentos audiovisuais que registrem as formas de organização e de produção cultural dos grupos subalternos da sociedade carioca que formaram e dão continuidade à Mangueira, buscando contemplar suas criatividade, visão de mundo e religiosidade, que se expressam de forma lúdica nas performances carnavalescas. A equipe do projeto atuará como facilitadora das demandas mangueirenses, colaborando na definição das imagens e das narrativas que a escola pretende veicular sobre o seu passado. O Museu assim será parceiro na preservação da memória dessa importante instituição cultural das classes populares cariocas, que é a Mangueira. O processo será estruturado pela troca de saberes entre a 'academia universitária' e a 'academia do samba', dando prosseguimento à colaboração estabelecida desde 2016 entre o Grupo de Pesquisa em Antropologia da Devoção (GPAD/MN/UFRJ) e o Centro de Memória Verde e Rosa (CMVR). Procuraremos ainda colaborar na constituição de uma rede de memória do carnaval que articule departamentos culturais de diferentes escolas de samba.
Palavras-chave
   Memória, história, Escola de Samba, Mangueira, Tradição
Público-Alvo
  Membros da comunidade mangueirense, compreendendo os moradores do Morro da Mangueira e os componentes da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, no Rio de Janeiro, mas também em outros estados do país e mesmo no exterior. Para fins de cálculo para o projeto, foi considerado o número médio anual de desfilantes da Escola (3.500). Pesquisadores de carnaval, da Cultura Popular, da história das classes populares do Rio de Janeiro e da história do Rio de Janeiro ou membros de instituições culturais que tenham interesse no assunto. Consideramos o IPHAN um dos possíveis interessados e que representam os membros descriminados na linha Instituições Governamentais Federais (10), assim como também consideramos o INEPAC no âmbito estadual (4). Já na linha de Instituições Governamentais Municipais foram contabilizados 10 possíveis beneficiados do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade . Para além dos integrantes da Mangueira, consideramos a possibilidade de beneficiar movimentos negros interessados em recompor a história das formas de sociabilidade das comunidades negras na diáspora (50). Já na linha ONGs/PSCIPs, foi estabelecido 10 beneficiados. Por fim, consideramos beneficiar 2 docentes, 21 discentes e 1 técnico-administrativo da UFRJ.
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
   renata.menezes@mn.ufrj.br
«« Voltar