«« Voltar
VI Seminário Projeto Bem Viver Indígena - Tema: 'Resistência dos povos do Cerrado frente aos grandes empreendimentos, na defesa dos territórios e fortalecendo o Bem Viver' - Lema: 'Resistir para existir, nenhum direito a menos!'
Protocolo do SIGProj:   284169.1400.167875.18102017
De:27/11/2017  à  29/11/2017
 
Coordenador-Extensionista
  Danielle Mastelari Levorato
Instituição
  UFT - Universidade Federal do Tocantins
Unidade Geral
  CUA - Campus de Araguaína
Unidade de Origem
   (NUDEPS) - Núcleo de Desenvolvimento e Práticas Sociais
Resumo da Ação de Extensão
  O VI Seminário Projeto Bem Viver Indígena, promovido pelo Núcleo de Desenvolvimento e Práticas Sociais - NUDEPS e o Conselho Indigenista Missionário - CIMI objetiva discutir questões relacionadas a Resistência dos povos do Cerrado frente aos grandes empreendimentos, na defesa dos territórios e fortalecer o Bem Viver. Abordará questões ligadas a Direitos Humanos, Justiça e Cidadania, Educação, Cultura, Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Agronegócio, Violência, além de outros temas, relevantes à causa indigenista e, discutirá formas e alternativas de solução de problemas e conflitos, assim como, mecanismos de proteção das comunidades, da arte, cultura e de todo patrimônio ambiental, incluindo identidade e território. Para tanto, o CIMI abrirá o evento com o lançamento do Relatório de Violência contra os povos Indígenas de 2016. O VI Seminário Projeto Bem Viver Indígena segue com debates das lideranças indígenas, camponeses, quilombolas e demais povos do Cerrado sobre medidas provisórias, projeto de emendas constitucionais e projetos de leis que visam alterar a legislação existente sem ampla discussão com as comunidades interessadas. Segue com a palestra do Assessor Luiz Henrique Eloy Terena que abordará os temas 'Retrocesso nos Diretos Constitucionais dos povos do Cerrado' e, 'Lutas e Conquistas dos Povos Indígenas nos últimos anos'. Após caminhada em Prol da Mãe Terra e apresentação de trabalhos acadêmicos. Justifica-se pelo avanço desenfreado do agronegócio em face da implantação do MATOPIBA.
Palavras-chave
   Bem viver indígena, Conselho Indigenista Missionário, resistência dos povos do cerrado, retrocesso nos direitos constitucionais, lutas e conquistas dos povos indígeas
Público-Alvo
  O público alvo beneficiado são os indígenas do povo Apinayé e Krahô; comunidade acadêmica e a sociedade em geral. A estimativa do projeto é alcançar 60 indígenas e 90 pessoas da sociedade em geral, incluindo docentes, discentes da universidade e pessoas da sociedade em geral)
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
  
«« Voltar