«« Voltar
A desconstrução do racismo voltada ao combate à desigualdade
Protocolo do SIGProj:   267208.1435.256381.03042017
De:01/08/2017  à  01/08/2018
 
Coordenador-Extensionista
  Luana Barbosa Alves
Instituição
  UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  Paranaíba - Unidade Universitária de Paranaíba
Unidade de Origem
  Direito - Coordenação do Curso de Direito
Resumo da Ação de Extensão
   O Brasil, um país que possui uma constituição perfeita nos termos de igualdade, como diz o famoso artigo 3º inciso IV – “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. Ainda assim, mesmo com o reconhecimento normativo de igualdade, o povo brasileiro ainda continua preconceituoso, misógino e conservador. A concretização da sociedade racista vem do passado, até 1888 o povo negro que vivia no brasil eram escravos, trabalhavam para fazer riqueza aos homens brancos, e quando foram libertados ficaram jogados à espreita, sem emprego salário ou moradia, dessa forma a aglomeração de pessoas cresceram, formando nas periferias o que na época foi chamado de cortiços, que também continham um grande número de imigrantes. Atualmente chamamos de favelas. De acordo com IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na Síntese de Indicadores Sociais, em 2014, 53,6% da população brasileira é negra, mas apenas 17,4% representam a parcela mais rica do país, enquanto os brancos representam mais de 79%. Dessa forma, por conta da segregação dos negros nas periferias, e a relação de superioridade que os brancos tinham no século XIX, refletem até hoje uma sociedade que pouco se importa com a inclusão social. Quem tem mais acesso ao ensino superior é o branco, e consequentemente às vagas de emprego. O negro além das dificuldades de alcançar um ensino superior, ainda sofrerá preconceito no mercado de trabalho, que preferem pessoas brancas em suas empresas. .
Palavras-chave
   Segregação, Negros, Racista
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
  
«« Voltar