«« Voltar
Toxidade do Lixo Eletrônico
Protocolo do SIGProj:   252299.1136.99630.20112016
De:01/02/2016  à  01/02/2021
 
Coordenador-Extensionista
  Dalton Pedroso de Queiroz
Instituição
  UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  Unidade de Dourados - Unidade Universitária de Dourados (pólo)
Unidade de Origem
  Engenharia Ambiental - Coordenação do Curso de Engenharia Ambiental
Resumo da Ação de Extensão
  A sociedade humana produz um fenômeno exclusivo, que é o acúmulo de lixo. Nos Sistemas Naturais o que não serve mais para um ser vivo é absorvido por outros, de maneira contínua, portanto, em um sistema natural não há lixo. No entanto, nosso modo de vida produz, diariamente, uma quantidade e variedade de lixo muito grande, ocasionando a poluição do solo, das águas e do ar com resíduos tóxicos, além de propiciar a proliferação de vetores de doenças. Por conta do avançado desenvolvimento tecnológico, tem surgido nas últimas décadas um lixo novo e extremamente nocivo, sendo pouco reconhecido como tal, que é o chamado lixo eletrônico. Esses resíduos, provenientes de equipamentos eletroeletrônicos descartados, tais como pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, computadores e suas placas de circuitos eletrônicos, podem ser recuperados, mas é necessário conhecimento técnico para isso, que vai além do conhecimento usual das pessoas. Então, a quase totalidade desse lixo tem sido descartado de forma inadequada no Ambiente, causando severa poluição. Nesse projeto o que se pretende é avaliar a toxidade do lixo eletrônico no solo e na água, bem como, fazer um levantamento na comunidade escolar da região de Dourados sobre o seu nível de conscientização a respeito desse problema.
Palavras-chave
   Poluição, Lixo Eletrônico, Ambiente.
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
  
«« Voltar