«« Voltar
Entre relações de poder e práticas de resistência: a produção de uma educação outra e de uma vida outra.
Protocolo do SIGProj:   244355.1136.118930.12012017
De:01/02/2017  à  01/02/2019
 
Coordenador-Extensionista
  Sirley Lizott Tedeschi
Instituição
  UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  PROPP - Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Unidade de Origem
  DP - Divisão de Pesquisa
Resumo da Ação de Extensão
  Esta pesquisa tem como objetivo analisar as relações de poder hegemônicas em ação no contexto e a potência produtiva e criativa de práticas de resistência de professores/as em ação no contexto escolar, contra os efeitos das relações de poder instituídas que assujeitam e aviltam a vida. Para a produção de informações serão realizadas entrevistas semiestruturadas com professores/as que atuam na educação básica em uma escola pública. Tomamos como referência para a análise a perspectiva pós-estruturalista e destacamos principalmente as contribuições de Michel Foucault e de Gilles Deleuze. Deste modo, entendemos que as práticas de resistência representam um trabalho sobre si e possibilitam a criação de gestos ativos e transgressores capazes de constituir novos modos de existência, novas subjetividades. São práticas, em muitos casos, anônimas, comuns, impessoais, com força para provocar fissuras nos modos de vida estabelecidos, capazes de fazer emergir novas questões. Trata-se de compreender as práticas de resistência como potencializadoras da constituição de modos outros de existência, da criação de possibilidades de vida, de territórios existenciais, capazes de resistir ao poder e ao saber. Nesse sentido, afastamo-nos das concepções que vêm nas práticas de resistência apenas oposições ou reações ao poder e buscamos ressaltar a produtividade e positividade das práticas de resistência nos modos de invenção de si no contexto escolar. Nesse sentido, partimos da concepção de que a instituição escolar, para além de promover processos de assujeitamento, também promove processos de subjetivação – de constituição de si mesmo.
Palavras-chave
   Relações de poder, Práticas de resistência, Subjetivação.
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
  
«« Voltar