«« Voltar
Promoção à Saúde Integral da População Negra e valorização da História e Cultura Afrobrasileira - AxéSaúde
Protocolo do SIGProj:   243043.1276.246874.27072016
De:01/09/2016  à  01/09/2017
 
Coordenador-Extensionista
  Caroline Guilherme
Instituição
  UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Unidade Geral
  Macaé - Campus UFRJ-Macaé Professor Aloísio Teixeira
Unidade de Origem
  univ - Polo Universitário
Resumo da Ação de Extensão
  O movimento negro realizou conquistas como a aprovação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra (PNSIPN) pelo Conselho Nacional de Saúde, e o Estatuto da Igualdade Racial, com a participação do Estado e da população. Esta criação é fruto da luta histórica pela democratização da saúde, do compromisso entre o ministério da saúde e a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. As conquistas no que tange a necessidade de atenção à saúde da população negra e sua visibilidade são recentes e consideravelmente pautados em questões de desigualdades étnico-raciais, motivo de urgência para a promoção da dignidade humana. O aluno, ao deparar-se com a realidade das comunidades periféricas, e discussões em grupo de estudo e seminários sobre a história e vivência dessa população, somado a imersão nas atividades culturais e científicas desenvolvidas, poderá abrigar em sua formação profissional não apenas um olhar técnico mas sensibilizar-se para o reconhecimento das necessidades da população em situação de vulnerabilidade, assim como, identificar problemas e atuar na promoção da saúde integral da população negra, e na promoção da cultura regional, observando a humanização e integralidade do cuidado.
Palavras-chave
   saúde da população negra, cultura, racismo, afroamericanos
Público-Alvo
  Devido a parceria com a prefeitura municipal de macaé (com o programa municipal de cultura afrobrasileira e indígena, subsecretaria de educação na saúde, cultura e esporte e fórum permanente de educação e cultura para diversidade étnica), acreditamos que a população em geral poderá usufruir dos benefícios alcançados pelas atividades. Apesar da maioria população brasileira e macense ser afrodescente, a promoção da saúde integral da população negra, assim como da história e cultura afrobrasileira poderão ser abordadas e levadas a população do município que deseje participar, podendo atingir inclusive a comunidade universitária. Inicialmente as demandas advindas da prefeitura são direcionadas para a elaboração de seminários para discussão da temática com a comunidade, em que os alunos poderão auxiliar na organização, divulgação e conversa, contribuindo com o conhecimento científico estudado na academia, no grupo de estudo, e absorvendo vivências e explanações relatadas pela comunidade, numa perspectiva dialógica. Outra parceria é a ONG (Organização não governamental) Associação de Capoeira Raízes de Aruanda existente há 17 anos. A instituição tem histórico de trabalho social voltado para comunidades carentes da cidade de Macaé, Rio Bonito e Silva Jardim. No início eram feitas arrecadações em almoços e entre amigos para a compra de lanches, uniformes e instrumentos para realizar oficinas de capoeira. O projeto tornou-se uma tradição nas comunidades onde antigos alunos tornaram-se multiplicadores. A Associação ampliou suas atividades para além das oficinas de capoeira,e, hoje, assiste aproximadamente 250 crianças e adolescentes. A ONG Raizes de Aruanda busca proporcionar à crianças e jovens a inclusão social oferecendo espaço para o desenvolvimento de tecnologia da informação (com aulas de informática, fotografia, filmagem e criação de vídeos), oferece oficinas voltadas para confecção de berimbau, caxixi e encourar atabaques; aulas de literatura; canto; aprendem a tocar instrumentos como o berimbau, pandeiro, atabaque; participam de samba de roda, maculelê, teatro, puxada de rede; produzem e assistem videos e documentários educativos. O projeto Raízes de Aruanda também visa o intercâmbio de valores, costumes e pensamentos; realizam viagens para conhecer cidades remanescentes de quilombolas, museus e bibliotecas; e conhecer e ouvir histórias de ancestrais afrodescendentes. Tem como maior objetivo agregar a comunidade afrodescendente que vive na exclusão social e torná-los conscientes da rede intercultural na qual estão enlaçados, reempossá-los enquanto cidadãos conhecedores de seus direitos e deveres. Consideram que para reverter os prejuízos históricos e sociais é necessário aplicar medidas que reparem e compensem adotando-se ações afirmativas para valorizar a população, trabalhar a autoestima, o reconhecimento e fortalecimento da imagem afim de estabelecer efetiva igualdade de oportunidades. A ampliação das ações já desenvolvidas está vinculada a promoção da qualidade de vida e da dignidade. A ONG espera junto ao projeto AxéSaúde o combate à discriminação racial e potencializar o empoderamento sócio cultural de membros da comunidade.
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
  
«« Voltar