«« Voltar
DICIONÁRIO DO FALAR EVANGÉLICO
Protocolo do SIGProj:   228292.1136.126135.09032016
De:15/03/2016  à  14/03/2018
 
Coordenador-Extensionista
  Nataniel dos Santos Gomes
Instituição
  UEMS - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  Campo Grande - Unidade Universitária de Campo Grande
Unidade de Origem
  Letras/Espanhol - Coordenação do Curso de Letras/Espanhol
Resumo da Ação de Extensão
  Conforme Burke (1997) a maioria dos estudos sobre a língua de classe são bidimensionais, falhando ou na abordagem histórica ou na dimensão social. Mas é impossível fazer um bom trabalho do que seria a Sociolinguística, sem prestar atenção à história social, já que ela é cheia de solidariedades e conflitos, continuidades e mudanças. Sabemos que o jargão está relacionado ao ouvido do receptor e à língua do emissor. Portanto, podemos observar que palavras que eram consideradas jargão, com o tempo foram incorporadas ao uso corrente, tornando-se, algumas, indispensáveis. Nosso estudo está ligado ao uso dos jargões pelos evangélicos. Os evangélicos representam o segmento religioso que mais cresce no Brasil. Temos evangélicos em todas as classes sociais: gente famosa, gente desconhecida, cantores, médicos, professores, estudantes, políticos, motoristas, ambulantes, cientistas. Segundo Freston (1994), já tivemos até mesmo um presidente evangélico: Ernesto Geisel. Vale notar que eles baseiam boa parte do discurso num livro que terminou de ser escrito a cerca de 2000 anos, a Bíblia, num ambiente bem diferente do nosso, em países diferentes do nosso, e com muitos símbolos e metáforas. Isso tudo vai ajudar a formar a identidade linguística do grupo, que pretendemos descrever.
Palavras-chave
   Linguística, Sociolinguística, Dicionário
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
  
«« Voltar